1984

agora que a América envelheceu de vez e, cansados da vigília da cidade impossível, Jane e Hunter voltam, reconciliados, à campa de Travis. estáticos e em movimento, arremessam à estrada a nudez dos seus cabelos louros e a beleza dos lábios intensamente vermelhos. um deserto de cada lado, e os falcões da noite deslizando silenciosamente por cima. e um fogo que arde incessantemente no horizonte e que os impede de voltar a casa. presos, com os dois rostos sobrepostos na superfície polida da lápide de granito, abraçam-se para que não se rasgem na violência dos grandes viadutos. atirados em direções diferentes, o destino que antes tinham pela frente dispersa-se agora na distância de todo o caminho já percorrido. cada um seguirá, forçosamente, um rumo diferente. uma e outra vez. Jane, mãe de um só filho. Hunter filho de dois pais. a mãe atrás de um espelho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *