dicionário

as linhas que se seguem não são habituais aqui. mas são absolutamente necessárias, pelo menos para mim.

antisemitismo – oposição aos semitas (judeus, em particular).

antissionismo – oposição ao estado judaico da Palestina.

as duas ideias acima são demasiadas vezes utilizadas, erroneamente, com um sentido sobreposto e/ou equivalente. a primeira pressupõe um preconceito racial ou étnico, religioso, cultural, etc, ou seja, racismo puro e simples. algo de que urge afastar-nos e que devemos condenar. a segunda traduz uma posição essencialmente política, ou mesmo, indo um pouco mais longe, ética. isto quer dizer que, ser contra o estado de Israel tal como o mesmo hoje existe, e se assume, não equivale a desejar a extinção do povo judaico. mas do contrário muita gente nos quer fazer crer. e pela repetição dessa falácia se vai embotando o pensamento e intencionalmente nublando o entendimento do mundo que exigia ser mais claro – uma necessidade imperiosa dada a inerente complexidade do mesmo.

na última quarta-feira um assassino e profeta desta mentira esteve em Lisboa a desenhar um roteiro para a guerra e foi recebido pelos nossos governantes. porque me envergonho disso, escrevi isto:


a missão do assassino é cegar-te
confundir os teus ouvidos
coser-te a língua com a corda que tu próprio urdiste
agarrar nas tuas mãos com as tuas próprias mãos
e proibi-las de fazer
tornar os teus passos tão pesados
que temas e desistas do caminho

a missão do assassino
não é matar-te

mas fazer de ti um assassino
que mata
com o seu próprio silêncio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *